4 da norte
18 da norte
3 da norte
22 da norte
2 da sul
21 da sul
20 da norte
1996

Branco
Cis
Viado
Bi
Pan
Panamericano
Latino americano
Ceilandense

Me inclua no seu cardápio
Gerado no Maranhão
Da Silva Santos
Filho de uma mãe e um pai

Yo no tengo plata 
Brasil
Bruna
Bunda
Bruta
Frango
Prosa

 

Artista sim, artista sim
Arte? artista? Meu eu artista?
Capricha bicha

Imagem
Personagem
Pare e faça uma análise

Um olho atrás, outro na frente
Se perder também faz parte
A câmera tá atrás da gente
Nem Deus sabe lidar consigo mesmo 

"Gustavo, escuta mais e fala menos"

Pega o busão com a mão no coração
Olhando para a câmera sem sair do vagão
Um passo para trás outro pra frente

What do you do in the name of Jesus? 

Gustavo da Ceiilândia

Gustavo da Cei
Gu gu gu gu da Cei
Gu da Cei yes
Gu da Cei no
Gu da Cei nada com nada
Gu da Cei tudo
Gu da Cei prazer

Gu da Cei
 

Gu da Cei é filho de maranhenses, artista visual, produtor cultural, curador na Galeria Risofloras, bacharel em Comunicação Social e mestrando em Artes Visuais pela Universidade de Brasília. Desenvolve o seu trabalho artístico no âmbito da intervenção urbana, instalação, poesia, performance e vídeo, além de buscar compreender as possibilidades dialógicas entre processos históricos e contemporâneos da fotografia, bem como seus espaços de exibição e circulação. Discute vigilância, imagem, direito à cidade e transporte coletivo. Ganhou o Prêmio de Arte Contemporânea Transborda Brasília e foi selecionado para o Prêmio EDP nas Artes, realizado pelo Instituto Tomie Ohtake. Integra a coordenação do Festival Foto de Quebrada e alguns de seus trabalhos também podem ser conferidos no livro "O Direito Achado na Rua: Introdução Crítica ao Direito à Comunicação e à Informação".

  • Twitter - círculo cinza
  • Facebook - círculo cinza
  • Instagram - Cinza Círculo
  • YouTube - círculo cinza
  • Tumblr

EXPOSIÇÕES COLETIVAS 

DiverCidade. Metrô-DF. Brasília-DF. 2022. 

Salão Nacional de Arte Contemporânea de Goiás. MAC Goiás. Goiânia-GO. 2022.

Watú não está morto! Instituto de Estudos Brasileiros/USP. São Paulo-SP. 2022.

Uma e muitas Brasílias: Aniversário de 62 anos. Galeria Casa. Brasília-DF. 2022. 

Olhares dissonantes. Online. Brasília-DF. 2021.

Festival Hercule Florence de Fotografia. Campinas-SP. 2021.

Entreligar-se. Centro Cultural TCU. Brasília-DF. 2020. 

Brasília em obra. Galeria Index. Brasília-DF. 2020. 

A exceção e a regra: emergências urbanas. UFBA. Salvador-BA. 2020. 

Festival Plural. Brasília-DF. 2020. 

Festival Gaiola das Violentas. 2020. 

Deslocamentos. Galeria Casa. Brasília-DF. 2020. 

Triangular: arte deste século. Casa Niemeyer. Brasília-DF. 2019.

Meus Medos. Espaço Cultural Renato Russo. Brasília-DF. 2019.

Brasília Mapping Festival. Museu Nacional Honestino Guimarães. Brasília-DF. 2019.

Grandezas do Ínfimo. Galeria 406. Brasília-DF. 2019.

#17.ART. Museu Nacional Honestino Guimarães. Brasília-DF. 2018.

Catálogo Transborda. A Pilastra. Guará-DF. 2018.

Trajetórias e Derivas. Espaço Cultural Renato Russo. Brasília-DF. 2018.

Transborda Brasilia. Caixa Cultural. Brasília-DF. 2018.

Love Link Synk. Edf. Texas. Recife-PE. 2018.

Ocupatória. Casa da Cultura da América Latina. Brasília-DF. 2018.

Fábrica.Lab. Fábrica de Ideias. Vitória-ES. 2017.  
Espaço Híbrido. Casa Monstro. Samambaia-DF. 2017.
TubURBANOS. Casa da Cultura da América Latina. Brasília-DF. 2017
OcioCidade. Faculdade de Comunicação-UnB. Brasília-DF. 2017. 
Intolerâncias Cotidianas. Galeria BCE-UnB. Brasília-DF. 2017
VI Pós-happening. Galeria Espaço Piloto. Brasília-DF. 2017.

UNI[verso]: Amazônia, diálogos. Museu Nacional Honestino Guimarães. Brasília-DF. 2015.

Expressão Experimental CEI-SP. Espaço Jovem de Expressão. Ceilândia-DF. 2014.

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS 

Vigie, corpo-transporte! Galeria Risofloras. Ceilândia-DF. 2022.

PRÊMIOS 

50° Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto. Santo André-SP. 2022.

Prêmio FAC Brasília 60. Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF. Brasília-DF. 2020.

7° Prêmio EDP nas Artes. Instituto Tomie Ohtake. Seleção. São Paulo-SP. 2020.

17º Território da Arte de Araraquara. Fundart. Araraquara-SP. 2020.

Transborda Brasília – Prêmio de Arte Contemporânea. Brasília-DF. 2018.

RESIDÊNCIAS

Casulo. Fêmea Fábrica. Campinas-SP. 2020.

Residência Móvel. Casa da Cultura da América Latina. Brasília-DF. 2018.

CURADORIA

Pela quebrada, individual de Dio Carvalho. Galeria Risofloras. Ceilândia-DF. 2022.

obrazilnãoconheceobrasil. deCurators. Brasília-DF. 2021.

Programa Arte Ocupação. Galeria Risofloras/Galeria Index. Brasília-DF. 2021.

Ceilom(bra). Galeria Risofloras. Ceilândia-DF. 2019.